26.1.14

Projetos de PCI - Erros Frequentes nas análises de projetos


Erros freqüentes nas análises de projetos

Um bom projeto deve contar com proteção passiva (contenção da propagação vertical e horizontal), ativa (equipamentos de combate), pessoal treinado e principalmente saídas de emergência com iluminação de segurança adequada. Seria de muita importância, o que se faz em países mais desenvolvidos, a limitação da carga de materiais combustíveis no interior da edificação.
Baseado nas normas da ABNT que dissertam sobre prevenção e proteção contra incêndios, são apresentados abaixo alguns dos erros mais freqüentes encontrados nas análises de projetos:

1. sistema de iluminação de emergência – NBR 10898

Dificuldade de diferenciação entre aclaramento e balizamento. A primeira é a luminosidade mínima para observação de objetos e obstruções à passagem; a segunda é a indicação clara e precisa da saídas e do sentido de fuga até local seguro;

Não previsão de pontos de luz nas mudanças de direção, patamares intermediários de escadas e acima das saídas;

Quando adotado gerador, deve manter condições idênticas aos sistemas alimentados por baterias (tempo de autonomia, localização dos pontos de luz, altura, potência, funcionamento automatizado aceitando-se partida até 15 segundos – no conjunto por baterias admite-se até 5 segundos).


2. sistema de alarme – NBR 9441

Localização do painel central em locais como depósitos, sob escadas onde não há pessoas freqüentemente ou isolados, de forma que não possam notar o aviso desencadeado dos acionadores destacados e tomar as providências necessárias imediatamente; ideal seria que houvesse até telefone com linha externa nas proximidades para acionamento imediato do Corpo de Bombeiros;

Falta de acionadores manuais onde há detecção automática (uma pessoa pode observar o surgimento de um foco de incêndio e não pode ficar esperando o sistema automático entrar em funcionamento, mas acionar o ponto manual imediatamente).


3. Sistema de hidrantes – Decreto Estadual 38069/93;

Localização de registro de recalque dentro do pátio interno de empresas, sendo que deveria estar no passeio público próximo à portaria;

Falta de botoeira liga-desliga alternativa quando for projetado sistema automatizado de acionamento das bombas;

O acionamento nesse caso é automático, mas a parada da bomba principal dever ser exclusivamente manual, tal procedimento visa evitar que uma pessoa que possa estar combatendo um incêndio seja prejudicada pelo desligamento acidental;

Não consideração de cotas altimétricas no dimensionamento da bomba de incêndio;

Não localização de hidrantes próximo às portas, sendo que em alguns casos teria uma pessoa que passar pelo incêndio para chegar até um hidrante que supôs-se utilizar para combater o mesmo.


4. saídas de emergência – NBR 9077

Inexistência de captação de ar externo para o duto de entrada de ar – erroneamente sai diretamente do térreo, na laje e em local fechado. Deve haver prolongamento na mesma área ou maior até o exterior do prédio de forma a aspirar ar puro que possa subir até os locais desejados;

Falta de corrimãos em ambos os lados das escadas;

Arco de abertura da porta corta-fogo secando a curvatura da escada, sendo que no máximo pode tangenciar a mesma;

A descarga de todos os pavimentos no pavimento térreo deve ser isolada da descida até os pavimentos mais baixos a fim de evitar a descida até eles e permitir que mais rapidamente se alcance local seguro;

Todas as portas de acesso às escadas de segurança devem ser do tipo corta-fogo, que devem abrir no sentido da saída dos ocupantes;

Projeto de passagem de instalações elétricas, hidráulicas, dutos de lixo, gás combustível nas paredes da escada ou até mesmo dentro delas;

As únicas permitidas são as instalações elétricas da própria escada;

Falta de barras anti-pânico nas portas de emergência de locais de reunião como cinemas, teatros, casas de espetáculos, salões de baile, danceterías, “karaokê” etc.;

Falta de dimensionamento da largura e encaminhamento para as portas de saída de acordo com o cálculo da população máxima possível do local.


5. extintores portáteis e sobre-rodas -NBR 12692, 12693

Não previsão para riscos especiais como caldeiras, cabinas elétricas, casas de máquinas de elevadores, depósitos de gás combustível que deverão possuir aparelhos adequados e exclusivos para eles;

Não previsão de tipos diferentes em um mesmo piso, de forma a atender princípios de incêndio em materiais diversos;

Normalmente quando é exigido o extintor sobre-rodas (carretas) instala-se apenas um; sendo que deverão ser projetados atendendo à classe de material que vai queimar, encaminhamento, área de cobertura e atendimento exclusivamente no piso em que se encontram.


Bombeiroswaldo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário