27.10.13

Reciclagem - Símbolo Internacional da Reciclagem - Cores - Vantagens da reciclagem - Cestos de reciclagem de lixo - Tipos de reciclagem




 Símbolo internacional da reciclagem.


reciclagem é termo genericamente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração.

O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização.

O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado material já beneficiado em outro. Um exemplo claro da diferença entre os dois conceitos, é o reaproveitamento do papel.

O papel chamado de reciclado não é nada parecido com aquele que foi beneficiado pela primeira vez. Este novo papel tem cor diferente, textura diferente e gramatura diferente. Isto acontece devido a não possibilidade de retornar o material utilizado ao seu estado original e sim transformá-lo em uma massa que ao final do processo resulta em um novo material de características diferentes.
Outro exemplo é o vidro. Mesmo que seja "derretido", nunca irá ser feito um outro com as mesmas características tais como cor e dureza, pois na primeira vez em que foi feito, utilizou-se de uma mistura formulada a partir da areia.

Já uma lata de alumínio, por exemplo, pode ser derretida de voltar ao estado em que estava antes de ser beneficiada e ser transformada em lata, podendo novamente voltar a ser uma lata com as mesmas características.

A palavra reciclagem difundiu-se na mídia a partir do final da década de 1980, quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matérias-primas não renováveis estavam se esgotando rapidamente, e que havia falta de espaço para a disposição de lixo e de outros dejetos na natureza. A expressão vem do inglês recycle (re = repetir, e cycle = ciclo).

Como disposto acima sobre a diferença entre os conceitos de reciclagem e reaproveitamento, em alguns casos, não é possível reciclar indefinidamente o material. Isso acontece, por exemplo, com o papel, que tem algumas de suas propriedades físicas minimizadas a cada processo de reciclagem, devido ao inevitável encurtamento das fibras de celulose.

Em outros casos, felizmente, isso não acontece. A reciclagem do alumínio, por exemplo, não acarreta em nenhuma perda de suas propriedades físicas, e esse pode, assim, ser reciclado continuadamente.


Cores
Ilustração de um cesto contendo o símbolo da reciclagem.

No Brasil os recipientes para receber materiais recicláveis seguem o seguinte padrão:






Vantagens da reciclagem

Cestos de reciclagem de lixo

Os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, como nos campos econômico e social.

No meio-ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de lixo a produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e água; entre outros tantos fatores negativos.

No aspecto econômico a reciclagem contribui para a utilização mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de reaproveitamento.

No âmbito social, a reciclagem não só proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas, através das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres.

No Brasil existem os carroceiros ou catadores de papel, que vivem da venda de sucatas, papéis, latas de alumínio e outros materiais recicláveis deitados para o lixo. Também trabalham na coleta ou na classificação de materiais para a reciclagem. Como é um serviço penoso, pesado e sujo, não tem grande poder atrativo para as fatias mais qualificadas da população.

Catadores de recicláveis em lixão


Assim, para muitas das pessoas que trabalham na reciclagem (em especial os que têm menos educação formal), a reciclagem é uma das únicas alternativas de ganhar o seu sustento.

O manuseio de lixo deve ser feito de maneira cuidadosa, para evitar a exposição a agentes causadores de doenças.


No Brasil, a cidade que mais recicla seu lixo é Curitiba: atualmente, 20% de todo o lixo produzido - cerca de 450 toneladas por dia - são reciclados na capital paranaense.


Tipos de reciclagem

·                  Reciclagem de aço
·                  Reciclagem de alumínio
·                  Reciclagem de papel
·                  Reciclagem de plástico
·                  Reciclagem de embalagens longa vida
·                  Reciclagem de papelão
·                  Reciclagem de pilhas
·                  Reciclagem de vidro


·                  Reciclagem de Equipamentos Eletrônicos

22.10.13

400.000 acessos - - Bombeiroswaldo - Bombeiro Oswaldo - Oswaldo - Osvaldo - Didi - Nêne - Neni - Filho - Oswaldo dos Santos Pinto Filho

Mais uma vez agradeço pela visita e confiança... 

Muito feliz por ter criado um blogger que dissemina o conhecimento ao Mundo... 

Muito agradecido.


Obrigado mesmo!!!


Uma vez fardado, confronto qualquer ocorrência, pois sei que nunca vou estar sozinho...
Bombeiro Oswaldo / Bravo Oscar


Descanso... Mais que merecido.

Mais de 1000 acessos por dia...

19.10.13

Pontos Cardeais, Colaterais e Subcolaterais - Rosa dos Ventos - GPS - O que são Pontos Cardeais

Em termos acadêmicos, os pontos cardeais são quatro:

·        norte, inicial N, também chamado "Setentrional ou Boreal".
·        sul, inicial S, também chamado "Meridional ou Austral".
·   Leste ou Este, inicial L ou E, também chamado "Oriente, Nascente ou Levante".
·        oeste, inicial O ou W, também chamado "Ocidente ou Poente".

As marinhas de Portugal e do Brasil usam a  forma leste para evitar confusão com este, mas em geral é mais usual a inicial E, até por coerência com as iniciais dos pontos colaterais.

Há também quatro pontos colaterais:

·        nordeste - NE,
·        sudeste - SE,
·        noroeste - NO ou NW;
·        sudoeste - SO ou SW.




Finalmente oito pontos subcolaterais:

·        nor-nordeste NNE,
·        és-nordeste ENE,
·        és-sudeste ESE,
·        su-sudeste SSE,
·        su-sudoeste SSO ou SSW,
·        oés-sudoeste OSO ou WSW,
·        oés-noroeste ONO ou WNW,
·        nor-noroeste NNO ou NNW.



E o somatório de todos forma a figura conhecida como rosa-dos-ventos, geralmente inclusa na mesa das agulhas de marear.

Entretanto, é sabido que a menor distância entre dois pontos na superfície da Terra só pode ser representada com uma reta.

O arco de círculo que representa essa curva é também a fração ideal do círculo máximo que une esses pontos, e essa linha tem o nome de ortodrómia.

A navegação sobre uma linha cardeal num meridiano não serve para outro, o que obriga constantes cálculos e mudanças de rumos, já que os arcos de círculos máximos não formam ângulos constantes com os meridianos e à medida que a derrota aproxima o destino, os ângulos em referência aos meridianos precisam ser corrigidos.

Com exceção dos pontos cardeais norte e sul, sobre o meridiano, ou leste e oeste, sobre o Equador, seguir qualquer direção cardeal constante, tais quais ilustradas em mapas, obrigará os navegantes a percorrer uma linha cardeal que só faz ângulos constantes com os meridianos mas que não leva ao lugar de destino, correndo o risco de o navegante se perder mesmo com uso de sofisticados instrumentos, com o GPS.






14.10.13

Bússola - Como usar uma Bússola - Navegação e orientação - Bússola de Limbo graduado e fixo - Capacidade e Limitações - Utilização - Funcionamento (medida de um azimute (AzM) - Visada do objeto pelo entalhe da mira - Nivelando a bússola - Calculando o azimute - Medida de um contra-azimute - Marcha segundo o azimute - Inserindo um novo azimute - Alinhamento do ponto de destino com a bússola e o operador - Orientação da carta pela bússola - Uso da carta para aferir distâncias - Cálculo do azimute através de carta e bússola (girar) - Aferição do azimute - Manutenção (centragem - sensibilidade - equilíbrio) - Cartas Topográficas - Capacidades e Limitações - Características - Representações do relevo (cores) - Escala da carta - Escala numérica - Distância de acordo com a escala - Escala gráfica - Designação de pontos na carta (latitude e longitude) - Determinações de direções - Diagrama de orientação - Declinação magnética - Convergência de Meridianos - Ângulo QM - Azimutes ( magnéticos AzM - Verdadeiro AzV - Quadrícula AzQ - Lançamento L - Contra-azimutes - Manutenção - Como dobrar uma carta - GPS (capacidade e limitações - características - utilização - manuseio - funcionamento - formas de acionamento - procedimentos de operação - manutenção)

NAVEGAÇÃO E ORIENTAÇÃO

EPI NECESSÁRIO: roupas leves e ao mesmo tempo resistentes, do tipo “tac tell”, que secam rápido. Que tenham reforço no joelho e cotovelo. Devemos ter também bolsos largos na calça e gandola. Cinto do tipo NA com cantil, faca de caça, tipo facão. Calçado impermeável, tipo meia-bota, com solado anti-derrapante. A cobertura deverá ser de aba, de material que seca rápido. Deverá levar um apito e HT para comunicações, bem como tralha para cozinhar. Bússola e GPS e cartas topográficas também são EPI, pois, sem eles, o Bombeiro poderá ter sérios problemas.


BÚSSOLA

Bússola de Limbo Móvel e Bússola de Limbo Fixo

1 - Bússola

1 – limbo graduado;

2 – régua em polegadas;

3 – seta de navegação;

4 – indicador de azimute;

5 – mira;

6 – espelho pra visualização da graduação;

7 – seta de orientação;

8 – agulha imantada (vermelho aponta o norte magnético);

9 – régua em milímetros;

10 – indicador de contra-azimute.

2 - Bússola de Limbo Fixo


Capacidades e Limitações

Sofre variação em virtude da Declinação Magnética (dm).

É afetada também pela presença de ferro, magnetos, fios condutores de eletricidade e aparelhos elétricos.

Certas áreas geográficas possuem depósitos de minério (tal como o ferro) que podem tornar uma bússola imprecisa quando colocada próxima a eles. Conseqüentemente, todas as massas visíveis de ferro ou campos elétricos devem ser evitados quando se utiliza uma bússola.

As visadas, observação, das bússolas devem ser feitas na posição horizontal. Esse procedimento deve ser observado para que as leituras dos azimutes não sejam distorcidas.


Utilização

A bússola é um instrumento destinado à medida de ângulos horizontais e à orientação no terreno.

A bússola é um goniômetro (instrumento com que se medem ângulos) no qual a origem de suas medidas é determinada por uma agulha imantada que indica um direção aproximadamente constante que é o Norte Magnético (NM).


FUNCIONAMENTO

Medida de um Azimute (AzM)

a) Segura-se a bússola com o espelho aberto e inclinado cerca de 50º em relação à caixa, visa-se, a seguir, ao mesmo tempo, o objeto desejado e o espelho;

b) A visada-objeto é feita observando-o pelo entalhe da mira; (figura 3);

c) Antes de se determinar o Azimute, deve-se nivelar a bússola. Para tal, através do espelho, faz-se com que a imagem do ponto central fique sobre a linha de centro do espelho;

d) Sem mover a mão e olhando pelo espelho, gira-se a caixa até que a seta da direção NS (não a agulha) fique sobre a agulha, coincidindo a ponta vermelha com o N da seta; e (figura 4);

e) Pode-se, então, mover toda a bússola, porque o Azimute já estará registrado, facilitando a sua leitura. (figura 5).

3 - Visada do objeto pelo entalhe da mira

4 - Nivelando a bússola

5 - Calculando o azimute


Medida de um contra-azimute

A bússola também permite determinar o contra-azimute lendo-se, no limbo, o valor do ângulo que fica na extremidade oposta à linha de visada. Na figura 5, o contra-azimute é 300º.


Marcha segundo um azimute

Suponha-se que se está num determinado lugar do terreno e que se precisa alcançar um outro ponto afastado daquele cerca de 1 km. Sabe-se, também, que esse segundo lugar se encontra no Azimute 60º. Basta, portanto que se marche segundo o azimute de 60º já determinado. Para tanto, deve-se proceder da seguinte maneira:

a) inserir no limbo graduado da bússola o azimute dado; (figura 6);

b) sem mover a mão e olhando pelo espelho, girar o corpo até que a agulha coincida com a seta da direção N-S;

c) através do entalhe da mira, observa-se um ponto do terreno que seja notável para tê-lo como referência do lugar que se deseja alcançar;

d) a direção a ser seguida é a desse ponto notável, observado pelo entalhe da mira;

e) caso, ao olhar na direção do lugar a ser alcançado, não for possível observá-lo diretamente, segue-se segundo a direção do azimute até um ponto notável do terreno que será utilizado como referência inicial. Após atingir este ponto, utilizando o mesmo azimute, tenta-se localizar o lugar desejado. Não sendo possível, repete-se o processo até que se consiga localizá-lo.

6 - Inserindo novo azimute

Quando se marcha, segundo um azimute, com a finalidade de atingir determinado ponto específico, caso se tenha conhecimento da distância que dele se está, deve-se utilizá-la como meio da passada individual, geralmente aferida antecipadamente. A aferição consiste na verificação do número médio de passos que cada indivíduo executa ao percorrer, em terreno variado, uma distância pré-estabelecida, normalmente, 100 metros. Para marchar à noite, segundo um azimute, é preciso estar em condições de visar pontos à frente, tal como feito de dia. Entretanto, em face da visibilidade reduzida, isso se torna mais difícil, impondo que os pontos visados sejam em maior número e mais próximos uns dos outros.

Se a escuridão for tal que impeça as visadas sobre os pontos de referência no terreno, deve-se empregar um companheiro à frente, à pouca distância, e determinar que ele se desloque para a direita ou para esquerda, até situar-se no azimute desejado. Essa operação deve ser repetida até que seja possível identificar um ponto de referência no terreno.

À noite, geralmente, não é possível fazer a visada através do entalhe da mira da bússola como se faz durante o dia, e nem é necessário. Basta voltar a bússola para a direção a seguir, de modo que fiquem num mesmo alinhamento o operador e as marcas luminosas existentes na bússola (uma na agulha imantada e outra no indicador de azimute) e o ponto de destino. (figura 7)

7 - Alinhamento do ponto de destino com a bússola e o operador


Orientação da Carta

Saber como se orientar em uma operação de busca e salvamento e usar com propriedade uma carta topográfica pode significar, em certas circunstâncias, ser capaz de sair de situações difíceis, em que a direção certa é fator preponderante para o sucesso.

Antes de utilizar uma carta, ela deve ser colocada em posição tal que suas direções coincidam com as do terreno. Isto poderá ser feito de duas maneiras, com auxílio da bússola ou por meio da utilização de pontos notáveis no terreno.

A operação de ajustar a posição da carta ao terreno chama-se Orientação da Carta, que pode ser feita pela comparação do terreno com a carta, procurando-se estabelecer as semelhanças entre ambos. Isso é viável quando existirem no terreno acidentes cujas representações figurem na carta. Nesse caso, é necessário que o observador identifique primeiro, na carta, a sua posição aproximada, para depois fazer uma observação em torno de si com essa, a fim de colocar em um mesmo alinhamento o objeto visado e a sua correspondente representação na carta.

A orientação da carta também poderá ser feita pela bússola (figura 8). Para tanto, desdobra-se a carta sobre um superfície plana, coloca-se sobre ela a bússola com a declinação magnética já inserida, de modo que um dos lados da caixa da bússola fique tangenciando a reta base vertical de uma das quadrículas. Depois, girando-se o conjunto carta-bússola e conservando-se a bússola no mesmo local, procura-se fazer com que a seta da agulha imantada coincida com a marcação do NV. Quando houver a coincidência, a carta estará orientada.

8 - Orientação da carta pela bússola


Como trabalhar com a carta e a bússola

Determinação do azimute dos elementos representados na carta

Anteriormente descrevemos como determinar o azimute de uma direção no terreno com o auxílio da bússola. Agora veremos como achar o azimute de uma direção sobre a carta.

9 - Uso da carta para aferir distâncias


A figura 9 é um trecho de carta, no qual podem ser observados dois elementos o pico da Esplanada e o pico do Garrafão. O azimute da direção Esplanada-Garrafão pode ser obtido com a seguinte seqüência:

a) a primeira coisa a fazer é traçar uma reta na carta, ligando o pico da Esplanada (ponto A) e o pico do Garrafão (ponto B), como mostrado na figura 9;

b) em seguida, orientar a carta; (figura 8);

c) após isso, colocar a bússola aberta sobre a carta, de tal modo que a borda graduada fique sobre a linha traçada na carta e a tampa (indicador de azimute), voltada para o pico do Garrafão (destino); (figura 10A);

d) a seguir, gira-se o anel serrilhado até que seta indicadora do Norte coincida com a agulha (figura 10B).
O ângulo indicado na escala no ponto onde esta intercepta a linha do centro da bússola, no lado da articulação da tampa, será o Azimute (Figura 11).

10 - Calculo do azimute através de carta e bússola girar


11 - Aferição do azimute


Manutenção

As bússolas deverão ser conservadas em ambiente livre de umidade e não sofrer choques.

Para que uma bússola possa ser utilizada apropriadamente, deverá satisfazer determinadas condições, as quais devem ser verificadas previamente. São elas:

a) Centragem ou centralização:
Verifica-se essa condição tendo as graduações indicadas pelas duas pontas da agulha sobre as diversas partes do limbo. A diferença entre essas leituras deve ser constante e igual a 180 º, caso contrário, o instrumento estará mal centralizado.

b) Sensibilidade:
Comprova-se esta condição aproximando um objeto imantado e afastando-o. Quando em bom estado, a agulha sofrerá um desvio e voltará a sua posição inicial após algumas oscilações.

c) Equilíbrio:
Uma bússola está em perfeito equilíbrio quando, colocada em posição horizontal, a agulha conserva-se nessa posição. Caso uma das pontas da agulha fique mais baixa, não permitindo sua livre rotação, é necessário pôr-se um contrapeso, procurando o equilíbrio da agulha.


CARTAS TOPOGRÁFICAS

NATUREZA

Nome: Carta Topográfica
Nome popular: Carta
Fabricante: XXX

Procedência: XXX
Composição Papel com detalhes topográficos impressos, com simbologia variada e específica.

12 - Carta topográfica

1 – Representação gráfica da região;
2 – Localização da carta na carta 11.000.000;
3 – Nome da carta;
4 – Região e escala;
5 – Legenda das convenções cartográficas;
6 – Diagrama de orientação;
7 – Articulação da folha.


CAPACIDADES E LIMITAÇÕES

Uma carta é um desenho que não tem por finalidade reproduzir, de forma fiel, os acidentes naturais e artificiais da porção do terreno que representa, tal qual uma fotografia. Esses acidentes são representados por símbolos, de forma a facilitar o manuseio das cartas e padronizar sua confecção. Em lugar de se desenhar um rio, uma casa, um pântano etc, o que não seria fácil nem prático, adota-se um símbolo particular para cada um desses acidentes do terreno. Esses são conhecidos por convenções cartográficas e são previamente padronizados e utilizados de acordo com a finalidade a que se destinam nas cartas.


CARACTERÍSTICAS

A classificação das cartas procura agrupá-las de acordo com a finalidade a que se destinam e, portanto as convenções cartográficas são previamente padronizadas e utilizadas de acordo com essa finalidade.

As cartas náuticas, por exemplo, buscam um maior detalhamento dos acidentes que interessam à navegação, tais como ilhas, faroletes, profundidade do mar etc., em detrimento dos acidentes naturais e artificiais de terra.

Em contrapartida, as CARTAS TOPOGRÁFICAS, procuram detalhar ao máximo esses acidentes do terreno.

Um outro exemplo são as cartas rodoviárias, que contém detalhadamente, o traçado de rodovias, estradas e vias secundárias, em detrimento de outros acidentes do terreno que não se relacionam com o fim a que essas cartas se destinam.

Em certos tipos de cartas, as cores são empregadas para auxiliar na identificação dos elementos do terreno, normalmente de acordo com a seguinte convenção:

Preto – Para planimetria em geral;

Azul – Toda a hidrografia: rios, lagos, mares, traçados de margens, nascentes, brejos e terrenos alagados;

Vermelho – Para as rodovias de revestimento sólido;

Castanho – Curvas de nível e respectivas altitudes;

Verde – Toda a vegetação.


Representação do relevo:

Para se poder ter uma ideia do relevo e identificar a altitude de qualquer ponto numa carta, foram criados vários processos de representação do relevo. O mais utilizado é o das curvas de nível, que são linhas que ligam pontos de igual altura e representam as intersecções da superfície do
terreno com planos paralelos e equidistantes, (Figura 13).

13 - Curva de Nível

ESCALA DA CARTA

As cartas devem ser confeccionadas de modo a guardar proporcionalidade entre as dimensões representadas e seus correspondentes valores reais no terreno. Além disso, as cartas devem conter a informação de quantas vezes ela é menor que o terreno representado. Essa informação, contida na margem da carta, chama-se escala, que pode ser indicada, tanto na forma numérica quanto na forma gráfica.


a) Escala Numérica
É representada por uma fração (1/50.000 ou 150.000, por exemplo). Em ambos os casos, indica que uma medida no terreno (1 cm na carta, por exemplo, corresponde a 50.000 cm ou 500 m no terreno).

Vale aplicar essas noções à carta. Para se obter a distância real no terreno entre dois pontos da carta, deve-se, primeiramente, aplicar uma régua graduada sobre a carta, como mostrado na figura 11.14.

Na figura abaixo, observa-se que a medida entre os pontos A e B é 4,00 cm. Nesse caso, a escala da carta é 1/50.000, isto é, 1 cm na carta vale 50.000 cm no terreno. Portanto, pode-se concluir que a distância real no terreno será 4 x 50.000 = 200.000 cm = 2.000 metros.

14 - Distância de acordo com a escala


Como as distâncias são geralmente avaliadas em metros, converte-se o valor encontrado, ou seja:

100 centímetros = 1 metro, logo 100.000 cm = 1.000 m
Cortando-se os dois últimos zeros da escala converteremos centímetros em metros, por exemplo: 1/10.000, cada centímetro na carta equivale a 100 metros no terreno.


Matematicamente isto pode ser representado da seguinte forma



Em que:
E – escala de carta
d - grandeza da carta ou dimensão gráfica
D – grandeza no terreno ou dimensão


b) Escala gráfica

A escala gráfica nada mais é que a representação gráfica da escala numérica, é um segmento graduado de reta, de modo a indicar diretamente os valores medidos na própria carta . As cartas trazem-nas normalmente desenhadas abaixo da indicação da escala numérica.

Observando-se a figura 4, verifica-se que o segmento da reta está dividido em duas partes distintas, separadas pelo índice zero. A parte da direita é chamada escala e a da esquerda talão.

No caso considerado, a escala foi dividida em graduações de 1000 m e o talão em graduações de 100m. O talão é sempre uma graduação da escala dividida em dez partes iguais,numeradas da direita para a esquerda, enquanto a escala é numerada da esquerda para a direita.

15 - Escala Gráfica


UTILIZAÇÃO

Serve basicamente para se deslocar de um ponto a outro no terreno.

Com o auxílio da carta, pode-se localizar o ponto onde se está e o ponto para onde se vai, e obter, por meio da escala, a distância entre ambos.

Essencial nas operações de busca e salvamento em matas, auxilia na determinação do deslocamento da equipe e no planejamento e otimização dos meios a serem utilizados nesta operação.

Por exemplo, pode ser previsto se haverá necessidade de travessia de cursos d’água, o que determinaria o transporte de material para tal atividade, bem como escalada e transposição de acidentes topográficos de grande altitude; desvio e retomada do rumo etc.


Funcionamento

Formas de utilização

a) Designação de pontos na carta
Um ponto na carta é designado por suas coordenadas , ou seja pelo cruzamento paralelo (ordenada) com o meridiano (abcissa) que por ele passa. Existem várias formas de indicar as coordenadas de um ponto considerado em relação ao paralelo de 0º (equador) e ao meridiano base de Grenwich, respectivamente.

Por exemplo:

Latitude -15º 30`22 ” S

Longitude -45º 17`55” W

Retangulares ou de Grade em que são indicados o afastamento vertical e horizontal em relação à grade construída sobre carta.


b) Determinações das direções

Para se deslocar de um ponto a outro no terreno, é necessário definir a direção que se vai seguir e a distância a ser percorrida.

Com o auxílio da carta, pode-se localizar o ponto onde se está e o ponto para onde se vai, e obter, por meio da escala, a distância entre ambos . Para se estabelecer a direção a ser seguida, o método mais apropriado é o de determinar o ângulo formado entre uma DIREÇÃO-BASE fixa e a direção a ser seguida. Este ângulo é chamado de AZIMUTE.


Direções-Base


As direções-base, por convenção, apontam sempre para um norte e são utilizadas como referência inicial para a determinação dos Azimutes:

1) Norte verdadeiro ou geográfico (NV ou NG)
É a direção que passa pelo Pólo Norte da terra.

2) Norte magnético (NM)
É a direção que passa pelo pólo magnético da terra, ou seja, pelo ponto pelo qual são atraídas todas agulhas imantadas. Esse ponto fica localizado próximo ao norte geográfico.

3) Norte da quadrícula (NQ)
Nas cartas utilizadas em operações militares, a direção- base tomada como referência para determinação da direção seguir é a das retas verticais da grade da carta.

4) Diagrama de orientação

16 - Diagrama de Orientação

Uma das informações contidas nas inscrições marginais dessas cartas é o que se chama de diagrama de Orientação (Figura 16). Tal diagrama contém três direções- base indicadas, bem como o valor do ângulo formado entre elas.

Esses ângulos possuem denominações e características próprias, a seguir descritas:
  

I) Declinação Magnética (dm)

Como se viu, o NM e o NV estão ligeiramente afastados. O ângulo formado entre as direções do NV e NM, medido a partir do NV , é chamado Declinação Magnética.

A declinação pode ser Leste (E) ou Oeste (W), conforme o NM esteja a leste ou a oeste do NV/NG. Além disso, a declinação é variável de acordo com o lugar e a época. Daí a necessidade de seu registro em cada carta, incluindo o respectivo ano de edição e a variação relativa.

Considerando os dados contidos no exemplo de diagrama de orientação da fig. 5 e, que se está calculando a declinação magnética para o ano de 2003, o resultado obtido seria 19º 53‘ W, pois à declinação de 17º 32’ W em 1984, deve ser acrescida a variação anual de 7 ‘ nos 19 anos decorridos logo:

dm = 17º 32’ + 19 x 7’
dm = 17º 32’ + 133‘
dm = 17º 32’ + 2º 13’
dm = 19º 45’

Será W porque o NM encontra-se a Oeste do NG.


II) Convergência de Meridianos

Pela figura 16, pode-se observar que a direção do NV é diferente da direção do NQ da carta. Desse modo, o ângulo formado entre as direções do NV e NQ, contado a partir do NV, é chamado de convergência de meridianos. Essa área pode ser E ou W conforme o NQ esteja à leste ou oeste do NV/NG.

A convergência se dá em virtude da distorção causada pela projeção da superfície terrestre, que é curva, na superfície plana do papel, quando da confecção das cartas. Apesar de sofrer uma variação entre diferentes pontos de uma mesma carta, pode-se considerá-la constante nas cartas utilizadas, sem perigo de erro, em virtude dessa variação ser desprezível.


III) Ângulo QM

O ângulo formado entre as direções do NQ e do NM é chamado ângulo QM. O ângulo será W, quando o norte magnético estiver a Oeste do Norte da quadrícula e, quando o norte magnético estiver a Leste do norte da quadrícula. O ângulo QM será calculado somando a dm e a convergência de meridianos quando a direção do NM e do NQ estiverem em lados opostos à direção do NG/NV, e subtraindo uma da outra quando estiverem do mesmo lado do NG/NV. Uma vez calculado o ângulo QM, ele deve ser anotado na carta para uso futuro. A variação anual da declinação magnética acarreta aumento ou diminuição do ângulo QM. Se as direções do NM e do NQ se aproximam, o ângulo QM diminui; se elas se afastam, o ângulo QM aumenta.


AZIMUTES

Os azimutes são ângulos horizontais medidos no sentido do movimento dos ponteiros do relógio, a partir de uma direção-base.


a) Azimute Magnético (AzM)

AzM é o ângulo horizontal medido a partir do NM até a direção desejada.

17 - Azimute Magnético

Na figura 17 o AzM é aproximadamente 20º.


b) Azimute Verdadeiro (AzV)

AzV é o ângulo horizontal medido a partir do NG/NV até a direção desejada.


c) Azimute da Quadrícula (AzQ) ou Lançamento (L)
Lançamento é o ângulo horizontal medido a partir do NQ até a direção desejada.


CONTRA-AZIMUTES

O contra-azimute de uma direção é o azimute da direção oposta. Caso se esteja voltado para determinada direção, considera-se essa direção como azimute. Ao se voltar para a direção oposta, ter-se-á o contra-azimute dessa direção. O contra-azimute está sobre o prolongamento, no sentido inverso, da reta que determina o azimute.

Sabendo utilizar de forma correta o contra-azimute, a equipe de busca e salvamento estará em condições de retornar ao ponto de partida. No cumprimento de uma tarefa, em lugar desconhecido e à noite, por exemplo, o contra-azimute poderá indicar a direção pela qual deve-se
retornar.

Para se encontrar o contra-azimute, basta somar 180º ao azimute quando esse for menor que 180º ou subtrair quando maior que 180º.

Na figura 6 o contra-azimute é 200º, pois o azimute é 20º (20º < 180º, portanto 20º + 180º = 200º).


Manutenção

As cartas devem ser tratadas com todo o cuidado, principalmente em virtude da dificuldade de sua reposição em um operação de busca e salvamento d) Sempre que possível, devem ser cobertas com material adesivo, transparente e impermeável (papel “contact”) e colocadas em um porta-cartas, ou saco plástico com lacre.

e) Quando empregadas por uma equipe em deslocamento, as cartas devem ser dobradas em forma de sanfona, como ilustrado na figura 11.18. e colocadas no bolso para protegê-las do sol e da umidade.

18 - Como dobrar uma carta


GPS

Natureza: XXX
Nome: (GPS)
Nome popular: Sistema Global de Posição
Fabricante: XXX
Procedência: XXX
Composição: Aparelho eletrônico, com visor em cristal líquido, antena interna, e botões de navegação.

19 - GPS

1 – cordão de transporte:
2 – tela de cristal líquido c/ informações;
3 – teclas de navegação;
4 – antena;
5 - compartimento de baterias.


Capacidades e Limitações

Funciona com 04 (quatro) pilhas, tipo AA, com autonomia de uso em modo normal de 12 (doze) horas, e em modo econômico, autonomia de 20 (vinte) horas; em ambientes cobertos (mata fechada ou estruturas de alvenaria) não consegue captar os sinais dos satélites.


Características

Aparelho que utiliza sinais de satélites artificiais, para fornecer coordenadas de posição (Latitude, Longitude), apresentando o resultado graficamente através da tela.


Utilização

O equipamento destina-se à navegação terrestre, aérea e marítima. Pode ser utilizado em viagens ou em buscas e salvamento. Funciona captando sinais de satélites disponíveis (no mínimo dois), para traçar coordenadas e fornecer a posição (latitude, longitude), apresentando, graficamente, na tela, o resultado, sendo capaz também de calcular a velocidade média, altitude, distância percorrida, distância a ser percorrida, tempo estimado de chegada, rumo, horário do nascer e pôr do sol, marcação e memorização de pontos (“way points”) e alarme de distanciamento do rumo. É possível inserir coordenadas de destino e traçar um rumo, a partir do ponto em que o usuário se encontra, auxiliando também na orientação em conjunto com cartas topográficas. É um equipamento complementar na sobrevivência.

20 - GPS sobre um mapa


Manuseio

Para sua efetiva utilização é necessário se posicionar em local aberto, preferencialmente longe de grandes edificações, ou estruturas naturais (árvores, pedreiras etc), a fim de possibilitar a captação dos sinais dos satélites disponíveis.


Funcionamento

Formas de acionamento

A inicialização do equipamento é automático, através da tecla de liga/desliga. Deve-se aguardar alguns minutos até o aparelho captar os sinais dos satélites e determinar as coordenadas da posição do usuário.


Procedimento de Operação do equipamento

f) ligar o aparelho GPS;

g) aguardar a captação dos sinais dos satélites;

h) utilizar as teclas de navegação, para acessar as opções de apresentação gráfica tela estrada (highway) ou tela bússola (compass);

i) Verificar sua posição em coordenadas (latitude, longitude);

j) Inserir uma coordenada para estabelecer o rumo (azimute).


Manutenção

1. Cuidado principalmente ao guardar o equipamento, devendo-se retirar as pilhas, manter o equipamento em local seco e arejado e, no transporte para ocorrência, evitar os choques e trepidações excessivas;

2. Para limpeza o fabricante recomenda utilizar apenas pano macio e seco.